Cruzes Canhoto!
Cruzem-se connosco em cruzescanhoto@mail.pt
9/09/2003

PONDERAÇÕES, MEDITAÇÕES E REMINISCÊNCIAS SOBRE A Q.V.: 1) Há uns anitos, fazia eu zapping pelos meus quatro canais, quando deparo com uma cena que o meu cérebro ao início não regista - na escuridão e enquadrados por uma música não recomendada para diabéticos, dois corpos fazem movimentos rítmicos debaixo de um edredão. Olho o relógio: 12h30. Olho para o ecrã. Olho para o relógio: 12h30. Olho para o ecrã. Percebo finalmente que estou a assistir a sexo no Big Brother. Pergunto-me vagamente se estarei perante um marco na televisão portuguesa: sexo ao vivo a meio do dia. Olho mais uns segundos a cena. A música começa-me a irritar e mudo para a telenovela brasileira. 2) Sendo um caboexcluído, isso não me impede de já ter avistado alguns filmes do Canal 18 e apreciado a empenhadíssima dobragem castelhana. A sua qualidade não foi propriamente um grande motivador a tornar-me cabodependente. 3) "A pornografia não deve ser considerada um produto cultural de massas ", diz um dos velhotes numa das tiradas mais bizarras de que tenho memória. Gostava bem que o Statler me fundamentasse esta afirmação que me parece no mínimo alucinada. Não serão as massas um produto cultural do sexo? A cultura um produto sexual das massas? Não serão as listas de best-sellers de música, livros, filmes e downloads a prova que a cultura favorita das massas é o sexo? 4) Wilhelm Reich sustentava que o sentido da vida era o orgasmo e que a felicidade era dependente da ênfase e concentração que se punha no clímax. Neste ponto de vista, os filmes pornográficos serão um importante produto cultural para dar felicidade às massas. Esta decisão aumenta o fosso entre haves e havenots. 5) O sexo é também a forma mais eficaz e segura conhecida de se atingir a imortalidade (mais que ter um blogue) e a sua prática é o melhor incentivo que se tem a não querer mudar nada. Genitais calejados são o primeiro passo para se ser bom reaccionário (o que explica os sacerdotes mais as criancinhas). 6) "Canal aberto" como designação da TV Cabo é absurdo. Canal aberto é uma televisão de livre acesso e sem taxas. Logo não faz sentido restringir o acesso a estes programas. Quem compra o Cabo, paga o serviço e sabe ao que vai. Se não gosta, pode sempre desprogramar o canal ou optar pelo pacote económico do Cabo. 7) O Governo Guterres foi o primeiro governo com ministros salazaristas. O Governo Durão é o primeiro governo com ministros pós-salazaristas. Gente que nunca partilhou a mesa com o Salazar, mas partilha da mentalidade moralenga e beata que acha que quem quer sexo tem de o pagar. Abaixo o amor-livre, viva prostituição ilegalizada parece ser o seu ideal. 8) Não tenho TV Cabo, logo sou insuspeito de ter acabado de perder a minha vida social de sábado à noite. J P.S. - Q.V.: Queca Visual

Comments:


Ouem?

Blogue lusografo de comentario opinativo, irreverente, destrutivo e nao registado na SPA.



Arquivos

Arquivo
Página


Weboteca

Alertnet
Alternet
Arts & Letters
American Prospect
The Atlantic
Auto da Fe
BBC
Boston Globe
Courrier International
Granta
The Guardian
Harpers
Indymedia
Magazine Litteraire
Metamute
New Left Review
New Yorker
News Google
News Yahoo
NY Review of Books
The New York Times
Political Theory
Salon
Slate
Science & Technology
Wired
World Press


Blogoteca

Homage to Catalonia, G. Orwell
Folies Simultanees, J. Lacan
Historia do Estabelecimento da Inquisicao..., A. Herculano
Dieser Friede, T. Mann
Pentesileia, H. Kleist
Les Demoiselles D'Avignon, W. Rubin
O livro de Cesario Verde
Antropologia Estrutural, C. Levi-Strauss
Naked Lunch, W. S. Burroughs
O Fim da Aventura, G. Greene
The soul of man under socialism, O. Wilde
Quadrado
O Aleph, J. L. Borges
Diplomacy, H. Kissinger
A cor do tempo quando foge, B.S. Santos
A minha vida, Lou-Andreas Salome
Gengangere, H. Ibsen
Against the current, I. Berlin
Conversas de Cafe
Piano Magico, E. A. Cebolo
RootsWorld
De direita
Bouvard et Pecuchet, G. Flaubert
Tom Gordon, S. King
Haiku Handbook,W.J. Higginson
How to read a film, J. Monaco
Why Socialism?. A. Einstein
Minha vida, Suzana Flag
Os prazeres de Alfredo Saramago
Three men on a boat, J. K. Jerome
Livro de Estilo
A Murraca, C. Castelo Branco
Constitution of Liberty, F. Hayek
Mil Folhas
Wealth of Nations, A. Smith
A alma nao e pequena, v. h. mae e j. reis-sa¡
Zona Non
Planning for freedom. L. Mises
O canto e as armas, M. Alegre
Tale of a Tube, J. Swift
75 years of the Oscar, R. Osbourne
Mensagem, F. Pessoa
O General no seu labirinto, G.G. Marques
E pasta e basta!, M.L. Goucha
Ferida Amavel, E. Goncalves
Sobre os espelhos, U. Eco
Ate na prisao fui roubado!, A. Agostinho
Arcos e Pérgulas
Nocturnos, T. Waits
Illuminati, R. A. Wilson
No Reino da Dinamarca, A. O'Neill
Curso de Portugues, A. Areal
Lux
Alcorao
Miss Julie, A. Strindberg
Super Flumina Babylonis, Jorge de Sena
Dies Irae, P.K. Dick
Clio, Herodoto
A cultural history of menstruation, J. Delaney
Tudo o que se passa...,
O Fisico Prodigioso, J Sena
Analog
As melhores historias de gatos
Treason, Ann Coulter A condicao das classes trabalhadoras, F. Engels
Livro do profeta Isai­as




In Association with Amazon.co.uk