Cruzes Canhoto!
Cruzem-se connosco em cruzescanhoto@mail.pt
1/15/2004

IUPIII, LEVARAM-ME A SÉRIO (2) - Embora o post anterior seja verdade, verdadinha, pois tenho de defender a minha reputação de anti-americano, anti-semita e xenófobo, está-me cá a parecer que este último adjectivo é o epíteto que os liberais atribuem aos que criticam etnias não-ocidentais por aplicarem o “empreendedorismo” que defendem, tal como dão os outros adjectivos a quem crítica americanos e israelitas (todos sabemos que não há europeus empreendedores, pois são todos burocratas dirigistas balofos). E, conhecendo-se a defesa entusiasta dos celtas, nomeadamente do LR, por tudo o que seja “liberal”, é natural que nutram grande simpatia pela comunidade chinesa radicada em Portugal, especialmente aquela parcela que se dedicam ao pequeno comércio de bugigangas e de gastronomia típica americana. Afinal, nesta comunidade específica encontra-se a aplicação fiel os princípios económicos que os liberais defendem. Repare-se: - garantem o privilégios dos empreendedores, neste caso, os empresários chineses que chegaram primeiro e conseguiram legalizar a sua situação, em detrimento dos que vieram depois e tiveram de trabalhar como empregados; - Defende a separação de comunidades, através dos ditos enclaves económicos étnicos, muros, etc., isto é, a construção de estabelecimentos etnicamente geridos, laborados, fornecidos e localizados, (i.e. o mesmo género de integração que defendia o apartheid); - Defende a desregulamentação do mercado laboral, como faz boa parte dos patrões chineses contratando os empregados através de agências especializadas (tríades mafiosas) nas condições mais vantajosas para ambos (o empregado pagam para trabalhar), permitindo-lhes serem levados para os seus locais de trabalho de forma condigna (em camiões frigoríficos) e auferindo os trabalhadores de salários justos (semi-escravatura) e horários razoáveis (das 8 às 23h – 15/16 horas por dia); - Estes empreendedores orientais assumem também a posição muito liberal de contestar a interferência estatal na economia e tomam a corajosa posição de viver por aquilo que acreditam (muitas lojas são ilegais, não pagam impostos, não pagam seguros de trabalho, não passam facturas, não pagam segurança social dos funcionários); - E, mais importante de tudo, os trabalhadores de chineses não compactuam (certamente de forma voluntária) com essa coisa das greves que tanto horripilam os verdadeiros liberais, crentes no trabalho, no progresso e na bondade patronal! Enfim, um verdadeiro regresso aos bons velhos tempos do bom velho Adam Smith. Não admira, portanto, que o LR acorresse tão rapidamente em defesa destas verdadeiras luminárias que são os empresários chineses, embora, note-se, estes não tenham o monopólio, de maneira nenhuma!, da exploração dos seus compatriotas. Veja-se, por exemplo as personagens desempenhadas por Sergi López e Kriss Dosanjh no fime Estranhos de Passagem (Dirty Pretty Things), que merecem o aplauso de todos os genuínos liberais. P.S: - Ah, mas fico contente por ver que o LR se opõe veementemente ao boicote americano a Cuba.

Comments:


Ouem?

Blogue lusografo de comentario opinativo, irreverente, destrutivo e nao registado na SPA.



Arquivos

Arquivo
Página


Weboteca

Alertnet
Alternet
Arts & Letters
American Prospect
The Atlantic
Auto da Fe
BBC
Boston Globe
Courrier International
Granta
The Guardian
Harpers
Indymedia
Magazine Litteraire
Metamute
New Left Review
New Yorker
News Google
News Yahoo
NY Review of Books
The New York Times
Political Theory
Salon
Slate
Science & Technology
Wired
World Press


Blogoteca

Homage to Catalonia, G. Orwell
Folies Simultanees, J. Lacan
Historia do Estabelecimento da Inquisicao..., A. Herculano
Dieser Friede, T. Mann
Pentesileia, H. Kleist
Les Demoiselles D'Avignon, W. Rubin
O livro de Cesario Verde
Antropologia Estrutural, C. Levi-Strauss
Naked Lunch, W. S. Burroughs
O Fim da Aventura, G. Greene
The soul of man under socialism, O. Wilde
Quadrado
O Aleph, J. L. Borges
Diplomacy, H. Kissinger
A cor do tempo quando foge, B.S. Santos
A minha vida, Lou-Andreas Salome
Gengangere, H. Ibsen
Against the current, I. Berlin
Conversas de Cafe
Piano Magico, E. A. Cebolo
RootsWorld
De direita
Bouvard et Pecuchet, G. Flaubert
Tom Gordon, S. King
Haiku Handbook,W.J. Higginson
How to read a film, J. Monaco
Why Socialism?. A. Einstein
Minha vida, Suzana Flag
Os prazeres de Alfredo Saramago
Three men on a boat, J. K. Jerome
Livro de Estilo
A Murraca, C. Castelo Branco
Constitution of Liberty, F. Hayek
Mil Folhas
Wealth of Nations, A. Smith
A alma nao e pequena, v. h. mae e j. reis-sa¡
Zona Non
Planning for freedom. L. Mises
O canto e as armas, M. Alegre
Tale of a Tube, J. Swift
75 years of the Oscar, R. Osbourne
Mensagem, F. Pessoa
O General no seu labirinto, G.G. Marques
E pasta e basta!, M.L. Goucha
Ferida Amavel, E. Goncalves
Sobre os espelhos, U. Eco
Ate na prisao fui roubado!, A. Agostinho
Arcos e Pérgulas
Nocturnos, T. Waits
Illuminati, R. A. Wilson
No Reino da Dinamarca, A. O'Neill
Curso de Portugues, A. Areal
Lux
Alcorao
Miss Julie, A. Strindberg
Super Flumina Babylonis, Jorge de Sena
Dies Irae, P.K. Dick
Clio, Herodoto
A cultural history of menstruation, J. Delaney
Tudo o que se passa...,
O Fisico Prodigioso, J Sena
Analog
As melhores historias de gatos
Treason, Ann Coulter A condicao das classes trabalhadoras, F. Engels
Livro do profeta Isai­as




In Association with Amazon.co.uk